Institutos de Pesquisa

De Observatório sobre as Estratégias da Indústria do Tabaco no Brasil
Ir para: navegação, pesquisa



Para a indústria fumageira, os institutos de pesquisa denominados em seu conjunto como think tanks desempenham um importante papel no lobbying indireto a favor da indústria. Tendo negado seu acesso a governos através do lobbying direto, por conta do que determina o art. 5.3 da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, um caminho óbvio para influenciar as políticas e os debates é financiar think tanks. Estas são chamadas Técnicas Envolvendo Terceiros.

No Reino Unido, a maioria das think tanks libertárias e de direita não revela quem as financia. Desta forma, a ligação com a indústria fumageira, se existe, é sempre oculta. Os milhões de documentos na indústria fumageira disponíveis no Legacy Tobacco Documents Library mostram que certas think tanks britânicas , tais como o Adam Smith Institute (ASI) e o Institute of Economic Affairs costumavam receber financiamento da indústria. O ASI, por exemplo, recentemente admitiu que ainda recebia cerca de 11.400 euros/ano da indústria.[1]

O benefício para as empresas fumageiras é que estas think tanks oferecem uma espécie de alto-falante , especialmente se elas desvirtuam o debate sobre saúde e tabagismo, evocando de liberdade, 'estado-babá' e regulação excessiva. Michael Prideaux, diretor de comunicações da British American Tobacco, reconhece: “Acho que o argumento libertário repercute em pessoas que normalmente não defenderiam o que a indústria fumageira diz".[1]


Uma lista de páginas na categoria Institutos de Pesquisa


Referências

  1. 1,0 1,1 THOMPSON, Christopher. Big Tobacco campaigns on freedom. Business, 6 abr. 2012. Disponível em: http://www.ft.com/intl/cms/s/0/bf180b30-74e5-11e1-a98b-00144feab49a.html#axzz3KCCay8sz. Acesso em: 26 nov. 2014. Documento integral: PDF.