Influenciando a Ciência

De Observatório sobre as Estratégias da Indústria do Tabaco no Brasil
Ir para: navegação, pesquisa



Financiamento de pesquisas, inclusive de pesquisas feitas em universidades

"Lançar dúvidas sobre as evidências dos efeitos na saúde decorrentes do uso do tabaco."[1]


A indústria fumageira tem um longo histórico de influência no debate científico sobre fumo e saúde. Dezenas de milhares de documentos internos da indústria, divulgados através de litígio judicial, revelam que a indústria, durante décadas, já sabia que seus produtos causavam câncer e dependências química e psicológica , ainda que tenha se recusado a admitir isso publicamente. Influenciar o debate científico tem sido uma estratégia deliberada da indústria. Veja em Hill & Knowlton (em inglês) e/ou Tobacco Industry Research Committee (em inglês). A indústria fumageira tem muitas metas neste campo, entre elas:

  • Influenciar a agenda de pesquisas;
  • Criar dúvidas sobre evidências, negando publicamente a relação entre fumo e câncer e o alto poder da nicotina na geração de dependência química
  • Desviar a questão da ligação causal entre fumo e câncer para uma série de outros temas, como doença hereditária, cigarros saudáveis ou condições climáticas internas (indoors)

Em última análise, influenciar a ciência tem como objetivo desconsiderar informações sobre os quais os gestores formulam políticas. E, ao criar incerteza em torno do debate sobre fumo e saúde, busca-se também reduzir o apoio público a tais ações regulatórias. Ao longo do tempo, as formas de influenciar a ciência tem se tornado mais sofisticadas. Numerosas táticas distintas, com uma ampla variedade de recursos, são empregadas:

Algumas táticas não buscam apenas influenciar a ciência, mas convenientemente buscam outras finalidades. Um caso recente foi o da Philip Morris (em inglês) que empregou a Lei de Liberdade de Informação para se apropriar dos dados brutos de pesquisa da Stirling University's (em inglês) sobre o hábito de fumar entre os jovens. Esta ação serviu a inúmeros propósitos. E exigiu da Stirling Management School bastante energia, tempo e dinheiro para lidar com as requisições. A indústria tentava ter acesso a pesquisas que eram usadas para decidir sobre novas regulamentações. O ataque contra a Stirling University também evoluiu para campanhas difamatórias conduzidas por blogueiros pró-tabaco contra uma de seus pesquisadoras, Linda Bauld (em inglês).


Casos de influência no campo científico

*11 de setembro de 2019: Fabricantes de cigarros eletrônicos preparam estreia no país:[2].

O executivo escocês Grant O’Connell , chefe do departamento de pesquisas da gigante holandesa Fontem Ventures, subsidiária do grupo Imperial Brands , maior fabricante de cigarros eletrônicos no mundo, esteve no Brasil para tentar convencer as autoridades de que, para o bem da saúde pública, seus dispositivos precisam ser liberados para importação, produção e venda no mercado nacional.


  • 3 de setembro de 2018: Cigarro: estudo aponta porque é tão dificil parar de fumar[3].

Notícia que versa sobre a fundação Foudation for a Smoke-free World e sua relação com o instituto Kantar public, que realizou uma pesquisa sobre as dificuldades quanto ao hábito de abondonar o fumo. A pesquisa foi feita em diversos países, dentro os quais o Brasil. Vale ressaltar que a Kantar Públic é mencionada como contradada para realizar a pesquisa em parceria com o a Foudation for a Smoke-free World, segundo o próprio presidente da fundação, Derek Yach.


  • 22 de agosto de 2018: Coordenador de Comunicação Científica da Philip Morris visita SLMANDIC[4].

O coordenador de Comunicação Científica da Philip Morris, Nveed Chaudhary[5], esteve em 22 de agosto de 2018, visitando a Faculdade São Leopoldo Mandic, em Campinas (SP), ao lado de Rafael Bastos, representante da PM no Brasil para conhecer a infraestrutura de laboratórios e o projeto pedagógico da Instituição e propor uma parceria entre a Faculdade e a Philip Morris para o desenvolvimento de pesquisas na área de Redução de Danos à Saúde. Os executivos foram recebidos pelo Coordenador do curso de Medicina da Faculdade, Dr. Guilherme de Menezes Succi, pelo Diretor de pós-graduação e Pesquisa da Instituição, Dr. Marcelo Henrique Napimoga e pelos professores do curso de Medicina, Thiago Trapé e Giuliano Dimarzio.


*21 de maio de 2017: Ciclo de Debates: Redução de Danos no Tabagismo:

A Sociedade Brasileira de Toxicologia promoveu um Ciclo de Debates: Redução de Danos no Tabagismo, no Auditório "Maria Aparecida Pourchet Campos" (Verde), Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, Av. Prof. Lineu Prestes, 580 - Butantã, São Paulo – SP para Profissionais das áreas da Saúde e interessados em debater a redução de danos no tabagismo.

https://www.sbtox.org/single-post/2017/05/21/Ciclo-de-Debates-Redu%C3%A7%C3%A3o-de-Danos-no-Tabagismo

*4 de agosto de 2017: Fórum Mudanças de Hábitos e Redução de danos à saúde:

No Fórum de redução de dano, no tocante ao tabaco, um dos principais temas a serem debatidos é a troca do cigarro por dispositivos eletrônicos.

https://www1.folha.uol.com.br/seminariosfolha/2017/08/1907245-confira-a-programacao-completa-do-forum-sobre-reducao-de-danos.shtml

*1 de novembro de 2017: Produtos de Tabaco de Nova Geração – O que diz a Ciência?: O Centro Técnico Científico da PUC Rio promoveu Seminário pelo Departamento de Química do CTC/PUC-Rio para discutir vantagens e desvantagens do cigarro eletrônico. Entre os nomes confirmados no evento está o do Dr. Professor Riccardo Polosa, diretor do Instituto de Medicina Interna e de Emergência da Universidade de Catania, na Itália. Ele também é responsável pelo Centro de Pesquisa de Tabaco da Universidade (CPCT) e Professor Honorário de Medicina da Universidade de Southampton (Reino Unido).

http://www.ctc.puc-rio.br/evento/produtos-de-tabaco-de-nova-geracao-o-que-diz-a-ciencia/


Notas e Referências

  1. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Tobacco industry interference with tobacco control, 2008. Disponível em: http://whqlibdoc.who.int/publications/2008/9789241597340_eng.pdf?ua=1. Acesso em:24 out. 2014. Documento integral: PDF
  2. FABRICANTES de cigarros eletrônicos preparam estreia no país. Estado de Minas, Minas gerais, 11 set. 2019. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/economia/2019/09/11/internas_economia,1084173/ fabricantes -de-cigarros-eletronicos-preparam-estreia-no-pais.shtml . Acesso em: 13 abr. 2020. Documento integral: PDF
  3. RORIZ, Giulia. Cigarro: estudo aponta porque é tão dificil parar de fumar. GPSLifetime, [s.l.], 3 set. 2018.Disponível em: https://gpslifetime.com.br/conteudo/lifestyle/bem-estar/9/cigarro-estudo-aponta-porque-e-tao-dificil-parar-de-fumar?page=11. Acesso em: 23 nov. 2018. PDF
  4. COORDENADOR de Comunicação Científica da Philip Morris visita SLMANDIC. São Leopoldo Mandic, Campinas, SP, 22 ago. 2018. Disponível em: https://www.slmandic.edu.br/2017/08/coordenador-de-comunicacao-cientifica-da-philip-morris-visita-slmandic/. Acesso em: 23 nov. 2018. Documento integral: PDF
  5. CHAUDHARY, Nveed. Director Scientific Communications at Philip Morris International: helping pursue a vision for reduced-risk alternatives [perfil profissional]. Linkedin, [s.l.]. Disponível em: https://ch.linkedin.com/in/nveedchaudhary. Acesso em: 23 nov. 2018. Documento integral: PDF



PÁGINA PRINCIPALINÍCIO⬆︎