Exagerar a importância econômica da indústria

De Observatório sobre as Estratégias da Indústria do Tabaco no Brasil
Ir para: navegação, pesquisa



Crédito: WHO/World No Tobacco Day©, 2012




Geração de emprego, contribuições fiscais e outros indicadores econômicos são frequentemente empregados pela indústria fumageira para supostamente demonstrar suas contribuições para a economia de um país. Mas as cifras fornecidas pelas empresas não somente exageram a importância econômica desta indústria como também ignoram os custos da saúde, sociais, ambientais e sanitários acarretados pelo tabaco e seus derivados[1].



A indústria do tabaco se esforça para interferir no processo político. Exagera sua própria contribuição, expressa em termos de geração de empregos (diretos e indiretos), contribuições fiscais e outros indicadores econômicos, à economia de um país, região, província ou município. As informações econômicas não são apenas sensacionalistas, mas também ignoram o impacto negativo do uso do tabaco, incluindo a evasão de recursos públicos usados para tratar milhões de pessoas que desenvolvem doenças associadas aos uso de tabaco.


Ela tenta se opor as medidas de controle do tabaco com a alegação de que tais medidas impactariam negativamente na geração e manutenção de postos de trabalho e, consequentemente, na economia do país. Com esse argumento, a indústria cria lobbies contra aumentos do imposto sobre produtos derivados do tabaco prevendo consequências catastróficas para seu negócio. Na realidade, as evidências mostram que, pelo menos até agora, as perdas de emprego no setor fumageiro tem pouco a ver com medidas mais severas de controle ao tabaco. Uma publicação recente[2] destaca como a indústria do tabaco fez lobbies contra a tributação e tarifação sobre os cigarros com o pretexto de que os custos reduzidos de produção iriam preservar empregos. Além de obter vantagens fiscais, a indústria ainda reorganizou e consolidou seus processos de produção, levando a perdas de emprego no setor. De fato, ainda que suas demandas sejam atendidas, não causaria espécie a ninguém familiarizado com o antitabagismo que ameaçasse fechar uma fábrica ou departamento e mudar para outro lugar, apesar de suas alegações de compromisso social e responsabilidade.


Estudos econômicos revelam que as alegações da indústria acerca de potencial perda de postos de trabalho e outras perdas econômicas resultantes de controles mais severos ao tabaco são exageradas; de fato, tais perdas são insignificantes. Se o consumo cair, as perdas de emprego nos setores dependentes do tabaco são mais do que compensadas pelo aumento de emprego em outros setores que não prejudicam a economia geral [3].

31 de outubro de 2018: A FGV Projetos realizou o “Estudo dos Efeitos Socioeconômicos da Regulamentação, pela Anvisa, dos assuntos que tratam as consultas públicas nº 112 e 117, de 2010”

A FGV Projetos realizou o “Estudo dos Efeitos Socioeconômicos da Regulamentação, pela Anvisa, dos assuntos que tratam as consultas públicas nº 112 e 117, de 2010”, no qual demonstra que o estrangulamento do mercado formal de cigarros não diminuirá o consumo, apenas tornará o produto do contrabando mais atraente, relaciona as consequências econômicas e sociais da alteração da preferência do fumante. O estudo tem por objetivo analisar os potenciais efeitos econômicos e sociais decorrentes da implantação das novas restrições às embalagens e materiais de comunicação de marcas de cigarros, bem como da proibição de sua exibição no ponto de venda e do uso de ingredientes na sua fabricação, previstas nas Consultas Públicas nº 112 e 117, de 2010, divulgadas pela ANVISA.

https://fgvprojetos.fgv.br/publicacao/estudo-de-efeitos-socioeconomicos-da-regulamentacao-dos-assuntos-das-consultas-publicas

A este respeito ler também:

Notas e referências

  1. WORLD HEALTH ORGANIZATION. World no tobacco day 2012: tobacco industry interference. [s.l.], 2012. Disponível em: http://www.who.int/tobacco/wntd/2012/industry_interference.pdf. Acesso em: 26 jan. 2017. Documento integral: PDF
  2. HOLDEN, Chris; LEE, Kelley. 'A major loobying effort to change and unify the excise structure in six Central American countries': how British American Tobacco influenced tax and tariff rates in the Central American Common Market. Global Health, v. 7, n. 1, p. 15, 2011. Disponível em: http://www.globalizationandhealth.com/content/7/1/15. Acesso em: 19 nov. 2014. Documento integral: PDF.
  3. WORLD HEALTH ORGANIZATION. Health and economic impact of tobacco taxation. In: ______. Effectiveness of tax and price policies for tobacco control. International Agency for Research on Cancer/WHO, França, 2011. Disponível em: http://www.iarc.fr/en/publications/pdfs-online/prev/handbook14/handbook14.pdf. Acesso em: 19 nov. 2014. Documento integral: PDF.



PÁGINA PRINCIPALINÍCIO⬆︎